sexta-feira, 3 de agosto de 2012

Descobertas Pessoas Imunes a Raiva na Amazônia

A Raiva é transmitida por morcegos ou animais domésticos infectados e se não tratada é invariavelmente fatal.

Habitantes da região Amazônica do lado peruano podem estar desenvolvendo imunidade a um dos vírus mais  letais do planeta.
(Imagem: sxc.hu)

A raiva (também chamada de hidrofobia) é uma doença infecciosa transmitida pela saliva de animais infectados .  O principais  responsáveis por sua transmissão são os morcegos que se alimentam de sangue. Ao infectarem  animais domésticos, principalmente cães e gato, estes passam a também transmitir a doença. No homem,  a morte é praticamente certa em cerca de uma semana após o aparecimento dos sintomas.
Mas isso parece estar mudando. Cientistas americanos e peruanos encontraram  pessoas que desenvolveram uma imunidade natural à raiva na região amazônica. Eles publicaram o resultado de seus estudos esta semana no periódico The American Journal of Tropical Medicine and Hygiene.

O trabalho científico realizado pelo Ministério da Saúde do Peru e pelos Centros para o Controle e a Prevenção de Doenças dos EUA (CDC)  demonstrou que habitantes da região Amazônica expostos ao vírus tiveram um índice de sobrevivência em torno de 11% sem usar nenhuma medicação. 
Para se ter idéia da gravidade da doença, no mundo existem pouquíssimos  casos documentados de sobreviventes à raiva após o início dos sintomas. Um dos raros exemplos é o de uma menina de 8 anos chamada Precious Reynolds, nos Estados Unidos em 2005. Além dela, um menino chamado Marciano Menezes da Silva, sobreviveu à doença em 2009  no Brasil. Ambos ficaram com seqüelas neurológicas devido a ação do vírus.
Os resultados desta pesquisa são “muito surpreendentes, mas convincentes” afirmou Hildegund Ertl, especialista em vacinas no The Wistar Institute da Filadelfia. Esta descoberta contradiz a idéia até então aceita de que a raiva sempre causa a morte pois as pessoas examinadas tem evidências de possuírem anticorpos contra a doença.

Amazônia Peruana

Os pesquisadores desenvolveram seus estudos em dois povoados onde nos últimos 20 anos houve casos fatais de raiva devido a mordidas por  morcegos hematófagos: Truenococha e Santa Marta, ambas localizadas na Amazônia peruana. Os morcegos saem à noite para se alimentar  do sangue de mamíferos preferencialmente  do gado. Mas quando não encontram alimento eles atacam humanos principalmente quando estes estão dormindo. A saliva do animal possui uma substância anestésica que faz com que a vítima não desperte durante a refeição do animal.
Os cientistas realizaram entrevistas com 92 habitantes nesta região que é considerada o "reservatório natural" da doença na América Latina.  Dos casos selecionados,  50 haviam sido mordidas por morcegos.  Foram então colhidas amostras de sangue de 63 delas e em 7 foram detectados anticorpos que neutralizavam o vírus.
Entretanto os cientistas não sabem determinar com certeza se essa capacidade desenvolvida por essas pessoas não se originou devido a exposição ao vírus em quantidades insuficientes para desencadear a doença. No artigo publicado no periódico científico, os pesquisadores informam que  essas descobertas sugerem que o vírus da raiva não é totalmente letal aos humanos.
A Organização Mundial da Saúde estima que o vírus da raiva esteja presente em cerca de 150 países.  Muitos países desenvolvidos já erradicaram a doença na área urbana,  restando apenas alguns focos nas áreas silvestres.Na  Antártida, Japão, Reino Unido , e outras ilhas o vírus é considerado erradicado. Nos Estados Unidos  em média apenas 2 pessoas morrem ao ano em conseqüência  da infecção pelo vírus da raiva. Há cerca de um século eram 100 mortes ao ano.

O principal motivo destes  países terem praticamente erradicado a doença  foi a vacinação em massa de animais domésticos, sobretudo cachorros e gatos.
Mas  em muitos países a raiva ainda é uma sombra terrível causando cerca de 55 mil mortes ao ano apenas na África e Ásia e levando cerca de 15 milhões de pessoas a procurarem tratamento por suspeita de terem sido infectadas.
Os especialistas analisam que na China, nos países da ex-União Soviética, no sul da África e nas Américas Central e do Sul os casos de raiva parecem estar  aumentando.
A recomendação é de que uma pessoa exposta ao vírus seja por mordida de morcego ou algum animal doméstico com raiva deve ser vacinada preventivamente.

Via:

Direitos Autorais

É expressamente proibida qualquer forma de cópia integral de qualquer postagem deste blog. No máximo você poderá citar trechos dando os devidos créditos e colocando link para postagem original. Caso você não obedeça essa determinação arcará com a responsabilidade perante a legislação sobre direitos autorais.

Se você achar que algum post está utilizando trechos de textos ou imagens que de alguma maneira firam seus direitos, por favor entre em contato no email contato@rstri.com


Postagens populares