terça-feira, 15 de março de 2011

O Complicado Momento Mundial - Japão e Kaddafi




Enquanto o mundo todo foca sua atenção no desastre japonês, o ditador  líbio Muammar Kaddafi aproveita a deixa e avança impiedosamente contra os rebeldes.


Japão

Será que as consequências de um possível desastre nuclear poderia ser ainda maior do que a catástrofe provocada pelo fenômeno natural?
Esta indagação está passando pela cabeça de muita gente na medida que alguns especialistas já classificam a atual crise nuclear japonesa como a maior  do mundo desde Chernobyl.
A terceira explosão ocorrida ontem na planta nuclear de Fukushima Daiichi fez os níveis de radiação perto de um dos reatores subir 4 vezes ao que uma pessoa possa ser exposta. Tão alta que o governo japonês já pediu para que quase 150 mil pessoas não saiam de casa num raio de 20 milhas em torno da usina nuclear.
Em Tóquio o governo informa que detectou sobre a cidade níveis de radiação 20 vezes acima do normal. Longe dali os ventos levam parte da radiação para alto mar.
O apelo do Chefe de Gabinete Yukio Edano aos moradores da região foi  o seguinte: "Por favor não saiam de casa. Fechem as janelas e as entradas de ar. Não liguem ventiladores e estendam suas roupas lavadas dentro de casa.”

Apenas 50 dos 800 trabalhadores permanecem lutando corajosamente para tentar resfriar com água do mar os 4 reatores nucleares. Os demais foram evacuados quando o nível de radiação se tornou muito alto.
A forma como os japoneses construíram suas plantas nucleares torna a situação ainda mais complicada. Isso porque eles optaram por colocar 4 ou mais reatores juntos o que torna o sistema muito eficiente na geração de energia. Só que a medida que um acidente provoque a explosão de um reator os demais certamente são afetados.




Líbia
Enquanto isso, na Líbia, aproveitando o providencial desvio da atenção mundial, as tropas leais ao ditador Kaddafi avançam sobre o que a rede Al Jazeera classificou de ‘último linha de resistência’ dos rebeldes antes de Benghazi.
Na segunda-feira aviões de Kaddafi começaram a atacar a cidade de Ajdabiya que, uma vez dominada, permitirá que as tropas leais ao ditador cortem as linhas de suprimento que os rebeldes mantêm com o Egito.
Enquanto isso a Alemanha e a Rússia ainda debatem com as Nações Unidas a possibilidade de criação de uma zona de exclusão aérea solicitada desesperadamente pelos rebeldes.
Mais do que parar os ataques aéreos de Kaddafi, um porta-voz dos rebeldes pediu à líderes europeus e a secretária de estado americana Hillary Clinton que também querem ataques contra os tanques e unidades de mísseis que estão sendo usada contra a oposição.

Direitos Autorais

É expressamente proibida qualquer forma de cópia integral de qualquer postagem deste blog. No máximo você poderá citar trechos dando os devidos créditos e colocando link para postagem original. Caso você não obedeça essa determinação arcará com a responsabilidade perante a legislação sobre direitos autorais.

Se você achar que algum post está utilizando trechos de textos ou imagens que de alguma maneira firam seus direitos, por favor entre em contato no email contato@rstri.com


Postagens populares