quarta-feira, 25 de janeiro de 2012

Ciência - Condutores Elétricos Flexíveis e Elásticos


Pesquisadores da Universidade da Carolina do Norte (Estados Unidos) alegam ter desenvolvido um novo método para a fabricação de condutores elétricos flexíveis e elásticos.

A busca por condutores elétricos que possam ser dobrados e esticados está se tornando cada vez mais intensa nos últimos anos.  Duas linhas de pesquisa se destacam no aperfeiçoamento dessa tecnologia que permitirá a construção de dispositivos eletrônicos com uma infinidade de aplicações: A utilização de substratos plásticos (até então foco das pesquisas) e o uso de nanotubos de carbono (que ganha força a partir de agora).
Os cientistas da Universidade Estadual da Carolina do Norte tem focado seus esforços na pesquisa com nanotubos de carbono e anunciam ter conseguido desenvolver um método de fabricação com base neste material, abrindo caminho para o desenvolvimento de toda uma nova geração de dispositivos eletrônicos elásticos  e flexíveis.

O chefe da pesquisa, Dr. Zhu Yong,  que é professor de Engenharia Mecânica e Aeroespacial nesta universidade diz estar otimista com essa nova abordagem pois ela pode permitir a produção em larga escala de condutores elétricos que podem esticar  facilitando a pesquisa e desenvolvimento de dispositivos eletrônicos flexíveis.

(Crédito das Imagens: The British Group e Universidade da Carolina do Norte)

Esse tipo de tecnologia poderia permitir por exemplo, a incorporação de dispositivos eletrônicos em roupas, implantes e próteses médicas, além de uma infinidade de outras aplicações no dia-a-dia. 

O desafio no desenvolvimento de condutores elétricos flexíveis e elásticos é conseguir mantê-lo conduzindo energia elétrica mesmo quando submetido a uma ação mecânica que o estique ou dobre.
Pois essa equipe de pesquisadores, utilizando uma malha de nanotubos de carbono conseguiram formar um substrato flexível. Os tais nanotubos de carbono além de resistentes e facilitarem a criação de tiras grandes, são também bons condutores elétricos.

A ténica em questão consistiria em dispor os nanotubos de carbono alinhados sobre um substrato elástico aos quais eles seriam transferidos como se fosse 'impressos'.
O substrato, ao ser esticado, separaria os nanotubos porém os mantendo alinhados em paralelo. Quando o substrato deixa de ser esticado,  os nanotubos não retornariam à sua posição original, mas formariam ondas como uma espécie de mola. Assim, a cada pressão mecânica sobre o substrato resultaria que os nanotubos esticariam junto, voltando a ficar em paralelo quando a pressão cessasse fazendo com que retornem a posição inicial.

O ponto alto dessa tecnologia é permitir a produção em larga escala devido a facilidade com que os nanotubos seriam transferidos ao substrato sem a necessidade de uma forte tração mecânica.

Fonte: [Physorg]



Anunciada Nova Vacina Contra o Câncer


NY-ESO-1: Roswell Institute anuncia o desenvolvimento de uma vacina contra o câncer

Funcionários do Roswell Park Cancer Institute, em Buffalo, Estados Unidos,  anunciaram numa conferência o desenvolvimento de uma vacina contra vários tipos de câncer. A nova vacina teriapotencial para "erradicar as células cancerosas e impedir a recidiva da doença".

Denominada pela sigla NY-ESO-1 a nova vacina de células dendríticas pode promover excelentes resultados em pacientes que sofrem de câncer na bexiga, cérebro, mama, esôfago, gastrointestinal, hapatocelular, rim, pulmão, melanoma de ovário, próstata, sarcoma e tumores uterinos.

Embora se mostrem cautelos nesse anúncio,  esse avanço na medicina parece ser realmente muito promissor. Principalmente porque segundo os cientistas informaram, essa nova droga contra o câncer teria efeitos colaterais mínimos.
A vacina será fabricada no próprio Roswell Park Cancer Institute.
Conforme informou o Dr. Christopher Choi, diretor do centro de pesquisa, a nova vacina contra o câncer (NY-ESO-1) será adapatada para cada paciente, conforme o tipo de câncer e a gravidade da doença.
Esta é a primeira vacina deste tipo a ser autorizada pelo governo americano para que seja testada em um hospital e não apenas em laboratório.

O diretor do centro de imunoterapia Kundl Odunsi, acrescentou que os testes iniciais serão apenas o começo de um projeto que objetiva utilizar o próprio sistema imunológico humano para combater o câncer: ”Nosso processo de produção tem um grande potencial para aplicações relacionadas a terapia com células-tronco e medicina regenerativa” declarou ele.

Além de anunciarem o desenvolvimento desta vacina, os pesquisadores do  Instituto Roswell Park disponibilizaram um canal especial para que pacientes interessados possam se informarem mais sobre essa pesqusia e o programa de saúde na qual ela está inserida.

Essa notícia foi muito bem recebida na comunidade médica, suscitando muitos comentários, como do próprio comissário de saúde Gale Burstein que afirmou:
 “Infelizmente ainda não temos as ferramentas e recursos para efetivamente erradicar todos os tipos de câncer, razão pela qual a doença persiste. No entanto, ter esta oportunidade, uma vacina que não só trata o câncer, mas também previne recaídas, é uma grande chance para realmente melhorar a saúde das pessoas.”

Embora o Instituto Roswell ainda não tenha definido uma data para começar a produzir essa nova vacina contra o câncer,  o anúncio é muito animador levando esperança a milhares de pacientes afetados por essa doença em todo o mundo.
(Imagem Crédito: Alamy)

Via [ALT1040]

Direitos Autorais

É expressamente proibida qualquer forma de cópia integral de qualquer postagem deste blog. No máximo você poderá citar trechos dando os devidos créditos e colocando link para postagem original. Caso você não obedeça essa determinação arcará com a responsabilidade perante a legislação sobre direitos autorais.

Se você achar que algum post está utilizando trechos de textos ou imagens que de alguma maneira firam seus direitos, por favor entre em contato no email contato@rstri.com


Postagens populares