sexta-feira, 24 de julho de 2009

Nova forma de recuperar o coração

Cientistas afirmam que descobriram uma nova maneira de recuperar danos no coração.
Quando as células do músculo cardíaco tornam-se adultas elas normalmente param de se dividir, e não conseguem recuperar tecido danificado por alguma doença ou deformidade.

Mas uma equipe de cientistas americanos descobriu uma maneira de fazer com que essas células comecem a se dividir novamente.
O estudo, que levanta a possibilidade de regenerar tecido do coração , foi conduzido em ratos no Children's Hospital de Boston, segundo foi divulgado na publicação científica “Cell”.

Os pesquisadores afirmam que essa descoberta poderá ser uma alternativa ao tratamento com células tronco, cuja utilização ainda carece de muitos testes além de apresentar um potencial risco de efeitos colaterais.

Em teoria, essa nova descoberta poderia ser testada para tratar pacientes que tenham sofrido ataque cardíaco, crianças com defeitos congênitos e pessoas com deficiência cardíaca.

O ingrediente chave é um fator de crescimento conhecido como neuregulin1 (NRG1).
Há muito tempo persiste a idéia de que o coração não consegue se regenerar. As células musculares do coração (cardiomiócitos) proliferam-se durante o desenvolvimento do feto. Até então se pensava que elas perderiam essa capacidade logo após o nascimento.

Entretanto, pesquisas recentes têm indicado que células adultas tem, embora em um nível baixo, alguma capacidade de se regenerar.
Estudos recentes demonstram claramente que isso é verdade – e que o NRG1 pode desencadear de forma significante esse processo.

A equipe de pesquisadores testou a habilidade de várias moléculas de provocarem a divisão celular em cardiomiócitos cultivados em laboratório. Foram testados vários fatores conhecidos por promoverem a proliferação celular no coração durante o desenvolvimento pré-natal.

O fator NRG1 foi o que produziu o efeito mais significativo, e que se repetiu mesmo quando foi injetado num rato já adulto.

Quando administrados em animais que tinham sofrido ataques do coração, o NRG1 promoveu a regeneração do músculo cardíaco tendo melhorado o funcionamento geral do órgão.
Os pesquisadores afirmaram que ainda não está claro que o NRG1 foi diretamente responsável pelo processo natural de reparação, mas suas descobertas mostram que ele pode realçá-lo.

"Nós temos identificado os principais elementos de um novo método de promover a regeneração do miocárdio. Muitos esforços e avanços importantes tem sido conquistados no sentido de atingir a meta de desenvolver estratégias baseadas em células-tronco para regenerar tecidos danificados no coração e em outros órgãos.

O trabalho apresentado aqui sugere que a estimulação da proliferação de cardiomiócitos pode ser uma alternativa viável”. Afirmam os pesquisadores na publicação científica.

O próximo estágio será testar a terapia em porcos, que tem mais semelhanças orgânicas aos humanos do que os roedores.

O pesquisador Dr Bernhard Kühn afirmou que é necessário mais pesquisas para poder realizar testes em humanos com segurança.

Já o professor Jeremy Pearson, membro da diretoria da British Heart Foundation, afirmou: "Este fascinante estudo mostra,notavelmente, que uma boa parte das células do coração de ratos pode ser replicada e dessa forma auxiliar na reparação de danos cardíacos.

Se os mesmos mecanismos identificados por pesquisadores funcionarem no coração de seres humanos, eles abrem possibilidades reais de novas e mais eficientes formas de tratar pessoas com doenças do coração"


Via: BBC

Direitos Autorais

É expressamente proibida qualquer forma de cópia integral de qualquer postagem deste blog. No máximo você poderá citar trechos dando os devidos créditos e colocando link para postagem original. Caso você não obedeça essa determinação arcará com a responsabilidade perante a legislação sobre direitos autorais.

Se você achar que algum post está utilizando trechos de textos ou imagens que de alguma maneira firam seus direitos, por favor entre em contato no email contato@rstri.com


Postagens populares